Jo Siffert – Live fast die young

AUTOMOBILISMO – “LIVE FAST DIE YOUNG” é um filme que retrata a vida do Homem/piloto Jo Siffert “Seppi” para os amigos, um filme para quem gosta de desporto automóvel, em especial os anos 60/70 a não perder.

siffert
siffertmovie-lg

Em 1971, o enterro de JO “Seppi” Siffert reune mais de 50.000 pessoas nas ruas Fribourg, a sua cidade natal. Siffert é um herói popular que o seu falecimento precoce tornou-o um mito, modelo de vida cuja lembrança continua a ser viva para todos os que o conheceram. Hoje ainda, é considerado como um dos dez melhores pilotos automóveis da história deste desporto. Trinta e cinco anos após a sua morte trágica à Brands Hatch, o De Friburgo torna-se por fim vedeta de um filme. Trinta e cinco anos após a sua morte trágica à Brands Hatch, o legendário piloto automóvel de Friburgo JO Siffert torna-se o herói de um filme: Men Lareida leva um olhar actual sobre o mito da Suíça, mais corajosa, mais louca e mais rápida da história contemporânea e faz-lhe uma vibrante homenagem. “Em Reportagens na Suíça” (1975), Niklaus Meienberg selava já o mito do mecânico de origem modesta, escapado do meio católico e conservador da sua cidade natal para correr os circuitos internacionais. O jovem director Men Lareida descobre este campeão carismático e sedutor, que serviu de modelo, como Steve McQueen para o filme de corridas “Le Mans”. Hábil numa mistura de arquivos e de entrevistas exclusivas com os seus companheiros, a sua família e os seus concorrentes, este “biopic” de Lareida - acompanhado do grupo POP de Netz Maeschi, Sterephonic Space Sound Limited revela uma época onde as corridas de automóveis não eram ainda governadas com os jogos de dinheiro e de poder. A Fórmula 1 era então uma grande família; desportistas do nível de Jim Clark, campeão do mundo, não eram considerados como star. Os pilotos-mecânicos, forças do trabalho, e Siffert era o mais pobre entre eles. Noutras alturas, torna-se “very charming, very friendly young Swiss”, de acordo com um comentarista da televisão inglesa, ou “homme à femmes” de acordo com a confiança discreta de um jornalista automóvel: enquanto que um avião Swissair tivesse esperado especialmente o vencedor do Grande Preço à partida de Heathrow, uma hospedeira do ar tinha-lhe deslizado o seu mapa de visita… Clin de olho nostálgico à uma legenda desportiva suíça, o filme é também um argumento em prol da tomada de risco e a realização dos seus sonhos. “Live Fast, Die Young” - o desejo de uma vida arriscada e palpitante tem perdido nada da sua força de sedução - e como diz Adelaide Siffert, a sua irmã: “Vale melhor viver perigosamente durante 34 anos que se irritar durante 80!”.


jo_siffert_12
jo_siffert_09

1 comentários:

Ieielobama disse...

Quero muito as legendas/subtítulos para esse filme. Se alguém tiver, por favor me mande um e-mail; segue: ieielmesquita@outlook.com

Grato,
Gabriel Mesquita